NEURALGIA DO TRIGÊMEO, A  PIOR DOR QUE EXISTE

Em uma escala de 0 a 10 de intensidade de dor, quem sofre com a neuralgia do trigêmeo costuma indicar o grau 10 para descrever o que sente. Por causa disso, essa é apontada como uma das piores dores que um ser humano pode sentir. Atos simples como sorrir, pentear os cabelos, mastigar e escovar os dentes se tornam sessões de tortura para quem convive com isso.

A taxa de incidência anual é de cerca de 4 em 100.000 na população geral. É um problema de saúde que acomete mais os idosos, sendo que entre o sexo feminino também há maior frequências de relatos.

 

O que é a neuralgia do trigêmeo?

O trigêmeo é o nervo responsável, principalmente, pela sensibilidade da face. Quando esse nervo apresenta atrito com um vaso sanguíneo, há um desgaste de sua capa protetora. Isso funciona como um fio desencapado, entrando em curto-circuito. Algumas doenças crônicas também podem danificar a capa do nervo, levando ao mesmo problema. 

Um mínimo estímulo, como escovar os dentes, mastigar ou até o vento na face, pode disparar o nervo e levar a uma dor terrível. A descrição mais comum é de uma dor facial intensa e aguda, semelhante a um choque elétrico. Na maioria dos casos apenas um lado do rosto é afetado e a dor dura poucos segundos.Os períodos de crise podem durar entre semanas e meses, com alguns intervalos mais calmos entre elas. 

Depressão e ansiedade

Assim como em outros casos de dores crônicas, a neuralgia do trigêmeo pode provocar quadros de ansiedade e depressão nos pacientes por causa das fortes dores que impedem o desempenho de tarefas cotidianas, sejam elas domésticas ou profissionais. O acompanhamento psicológico é fundamental para o bom resultado do tratamento.

Como tratar a neuralgia do trigêmeo?

Depois do diagnóstico, que pode ser feito clinicamente com a análise dos sintomas e o exame físico, o tratamento é feito inicialmente com o uso de medicação. Quando ela é inefetiva ou gera muitos efeitos colaterais, o paciente pode optar pelos tratamentos intervencionistas, como a descompressão do nervo trigêmeo por balão, neuromodulação ou ablação por radiofrequência. 

Os procedimentos são realizados de forma percutânea, ou seja sem necessidade de cortes. É introduzida uma cânula, que é uma espécie de agulha, junto ao nervo, usando uma imagem de radiografia em tempo real para guiar o procedimento. Uma vez que a cânula esteja corretamente posicionada o tratamento é realizado. Estes procedimentos são realizados sob sedação ou anestesia geral, mas sem a necessidade de internação. Os resultados são excelentes na maioria dos casos.